P Política

Por unanimidade, professores de Campo Novo do Parecis decidem continuar greve; fiscais entram em acordo

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Professores da rede pública municipal de ensino de Campo Novo do Parecis decidiram por unanimidade em assembleia extraordinária realizada na tarde desta quarta-feira (08), continuar com a greve que já dura mais de uma semana.

 

Os fiscais por sua vez, entraram em acordo e esperam que a Câmara de Vereadores vote uma Lei específica, para que a categoria retorne aos trabalhos.

 

A presidente do Sindicato dos Servidores Públicos, Jerusa Pinto, informou em assembleia, que o prefeito de Campo Novo do Parecis, Rafael Machado (PSD), fez uma proposta para encerrar a greve imediatamente ao reajustar os salários dos professores em fevereiro de 2019, proposta essa que foi rejeitada pela maioria presente.

 

O executivo teve como justificativa para dar o aumento em 2019, segundo Jerusa, de que o segundo semestre seria de maior arrecadação, possibilitando assim, o aumento no início do ano que vem.

 

Ainda segundo Jerusa, o executivo mostrou na reunião de hoje que o impacto na folha com o reajuste almejado pelos professores seria de aproximadamente R$ 78 mil, mas ciente de que o limite com a folha de pagamento está em 52,19%, (acima do limite prudencial, que é de 51,3%), isso impossibilitaria qualquer tipo de aumento, de acordo com a Lei de responsabilidade fiscal e que a prefeitura poderia ser notificada pelo Tribunal de Contas de Mato Grosso, caso concedesse o aumento.

 

Reunião a porta fechada

Segundo o Relatório de Gestão Fiscal apresentado mais uma vez pelo executivo em reunião realizada a porta fechada entre prefeito, presidente do sindicato, vereadores, contadores e advogados de ambas as partes e que durou mais de duas horas na Escola Municipal Nossa Senhora Aparecida, de julho de 2017 a junho de 2018, houve uma receita líquida de R$ 124.803.108,14 e despesas com folha na ordem de R$ R$ 65.140.736,68, o que representa 52,19% do total arrecadado no período.

 

Folha estoura Lei de Responsabilidade Fiscal

Os números apresentados mostram que a folha de pagamento ultrapassou o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal, que é de 51,30%, o que impossibilita a prefeitura de Campo Novo do Parecis a dar aumento aos servidores enquanto não baixar o percentual atual.

 

Um dos motivos para a greve é a reposição salarial dos professores municipais em relação ao salário base nacional. A meta, estipulada no Plano Municipal de Educação, instituída por Lei no ano de 2015, é que em 10 anos, os salários dos professores sejam reajustados em 45,43%.

 

Vale lembrar que, a Prefeitura Municipal de Campo Novo do Parecis concedeu revisão salarial de 4,5% aos professores em fevereiro deste ano.

 

A Presidente do Sindicato dos Servidores de Campo Novo do Parecis, Jerusa Pinto, afirmou que os 4,5% pagos este ano aos professores são relativos ao ano de 2017 e o que levou a paralisação dos servidores é a reivindicação dos 4,5% para este ano, o que totalizaria um aumento de 9% para os professores em 2018.

 

O executivo Municipal teve como argumento ao não conceder 4,5% de reajustes aos professores no ano de 2017, o reajuste do PCCV (Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos), que entrou em vigor em janeiro de 2017 e impactou consideravelmente a folha de pagamento.

 

Nova assembleia deve ser realizada na sexta

Uma nova assembleia deverá ser realizada na próxima sexta-feira (10), no Sindicato dos Servidores e até lá, não há previsão para o encerramento da greve dos professores.