P Política

Após greve dos professores, prefeitura de Campo Novo do Parecis assume erro em informações do Portal da Transparência

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Em reunião realizada na manhã desta terça-feira (31), na Câmara Municipal de Vereadores, entre representantes do executivo, Sindicato dos Servidores Públicos e vereadores, após paralisação dos servidores da educação e da fiscalização de Campo Novo do Parecis, a Prefeitura Municipal assumiu erro em informações que são divulgadas no Portal da Transparência.

 

*Por lei, toda entidade pública deve manter atualizado, através do Portal da Transparência, dados relativos à despesas, receitas, fornecedores, programas, ações e projetos.

 

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipal de Campo Novo do Parecis, contratou um estudo através do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) e de uma empresa terceirizada, que questiona e rebate os números apresentados pelo executivo quanto a receita e despesa da administração municipal.

 

Na reunião de hoje, integrantes do executivo afirmaram que houve um erro operacional na alimentação do sistema e que o índice da folha de pagamento dos servidores públicos está acima de 52%.

 

Com isso a Prefeitura Municipal de Campo Novo do Parecis assumiu que os dados alimentados no Portal da Transparência estavam equivocados, mas que o correto teria sido publicado apenas na tarde desta segunda-feira (30).

 

Com as novas informações, o Sindicato dos Servidores mantém a greve por tempo indeterminado e deverá realizar nova assembleia para apresentar os números que foram disponibilizados pelo Executivo e só então decidir se a greve continua ou os funcionários retornarão às suas atividades.

 

*“A Lei Complementar 131/2009 - lei da Transparência - altera a redação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) no que se refere à transparência da gestão fiscal. O texto inova e determina que sejam disponíveis, em tempo real, informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.”.

 

“Segundo a LC nº 131/2009, o ente que não disponibilizar as informações no prazo estabelecido ficará impedido de receber transferências voluntárias. Além disso, os titulares do Poder Executivo dos entes estarão sujeitos a responder por crime de responsabilidade (Art. 10, Itens 4 e 12, Lei nº 1.079, de 10 de abril de 1950 e Art. 1º, Incisos VII e XXIII, Decreto-Lei nº 201, de 27 de fevereiro de 1967, respectivamente).”

 

"Conforme definido pelo Decreto nº 7.185/2010, a liberação em tempo real se refere à disponibilização das informações, em meio eletrônico que possibilite amplo acesso público, até o primeiro dia útil subsequente à data do registro contábil no respectivo sistema, sem prejuízo do desempenho e da preservação das rotinas de segurança operacional necessários ao seu pleno funcionamento."