P Polícia

TJ mantém advogado preso em segurança máxima em SP por desvios de R$ 28 milhões da Coprodia

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

A Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), negou o relaxamento da prisão do advogado Júnio José Graciano, ex-gerente financeiro da Coprodia, alvo da 3ª fase da operação “Etanol”. Segundo investigações da Polícia Judiciária Civil (PJC) a fraude promoveu desvios da ordem de R$ 28 milhões da cooperativa que agrega produtores de etanol e cana-de-açúcar.

 

O placar foi de 2 votos contra o relaxamento e 1 a favor. O réu esta preso desde o dia 23 de agosto deste ano.

 

O relator do habeas corpus que pedia o relaxamento da prisão do ex-gerente, o juiz convocado Francisco Alexandre Ferreira Mendes Neto, negou o pedido em voto proferido nesta quarta-feira (10). Junio encontra-se numa prisão de segurança máxima na cidade de Araraquara, no médio-norte do Estado de São Paulo.

 

O local fica a 237 quilômetros da atual residência de Junio localizada em Marília (SP). A fraude milionária teria ocorrido entre os anos de 2010 e 2012 numa unidade da Cooprodia no município de Campo Novo do Parecis. “O modus operandi demonstra elevada periculosidade não só do paciente como dos outros especialmente porque as provas ainda serão colhidas. Ele teria continuado a se beneficiar da fraude por meio de conta bancária pessoal”, explicou o relator.

 

Com informações: Folha Max