P Polícia

Polícia divulga vídeos de prisão e apreensão de carros de luxo em operação de desvio de R$ 28 milhões de cooperativa; veja

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Imagens divulgadas pela Polícia Civil mostram o momento em que o empresário Haran Perpétuo Quintiliano, apontado como um dos articuladores do esquema investigado na Operação Etanol, é preso em Cuiabá.

 

O empresário foi detido na manhã desta quinta-feira (23) em seu apartamento, em um edifício no Bairro Duque de Caxias. Além da prisão do empresário, foi cumprido um mandado de busca e apreensão no imóvel, e dois carros de luxo (clique aqui) do empresário foram levados pelos policiais.

 

A investigação, conduzida pela Delegacia da Polícia Civil, apura a suspeita de desvios de cerca de R$ 28 milhões da cooperativa de produtores de álcool e cana-de-açúcar Coprodia, de Campo Novo do Parecis.

 

Os vídeos exibem detalhes da ação policial nesta manhã. Um deles (clique aqui) mostra a equipe policial arrombando a porta do apartamento e retirando o empresário de dentro.

 

Em outro momento (clique aqui), é possível vê-lo, já de roupa trocada, assinando o termo de prisão, e posteriormente deixando o prédio acompanhado de policiais da Gerência de Operações Especiais (GOE) (clique aqui).

 

Dois veículos do empresário também foram apreendidos: um Jeep Grand Cherokee branco e uma Mercedes Benz C 250 marrom.

 

O delegado Adil Pinheiro de Paula, que conduz a investigação, diz que Haran Quintiliano é o principal articulador das empresas fantasmas que atuam no esquema de desvio de dinheiro.

 

“Ele criou, através de uma rede de laranjas, várias empresas em nome de pessoas físicas para emitir essas notas fraudulentas de prestações de serviços para Coprodia”, afirmou o delegado, em coletiva à imprensa na manhã desta quinta-feira.

 

Haran e outros três presos na terceira fase da operação respondem pelos crimes de furto qualificado, lavagem de capitais e organização criminosa.

 

“A investigação deve partir para um quarto crime, que é o de sonegação fiscal. Ainda não são formalmente acusados do crime de sonegação, mas onde há lavagens de capitais, provavelmente tem crime de sonegação. Caso haja comprovação, sobre esse crime, que é de esfera federal, nós vamos acionar o Ministério Público Federal e a Polícia Federal”, disse o delegado.

 

Além do Haran, foram presos o ex-gerente da cooperativa Adriano Froelich Martins, em Jaciara; o ex-responsável pelo setor de compras da cooperativa, Heberth Oliveira da Silva, em Sapezal; e o ex-gerente financeiro da empresa Júnio José Graciano, em Marília (SP).

 

Os veículos e os presos devem ser encaminhados para a Delegacia de Campo Novo do Parecis.

 

A operação foi deflagrada em Mato Grosso, Paraná, Goiás, São Paulo, Minas Gerais e Rondônia.

 

Midia News