C CNP

Semana Farroupilha e Dia do Gaúcho serão comemorados com mateada na Praça Odenir Ortolan

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Na Semana Farroupilha e no Dia do Gaúcho, comemorado no dia 20 de setembro, integrantes do CTG Porteira da Tradição, irão realizar a partir das 18h desta quinta-feira, na Praça Odenir Ortolan, a tradicional mateada.

 

Durante da semana, atividades como Jantar com fandango e Missa Crioula foram realizadas em Campo Novo do Parecis para comemorar a data. Para a confraternização do Dia do Gaúcho, que será realizada na Praça Odenir Ortolan, cada participante levará seu chimarrão e um prato de doce ou salgado para partilhar.

 

Esta será a 30ª Semana Farroupilha comemorada em Campo Novo do Parecis.

 

O encontro tem por objetivo transmitir a integração, incentivo, e preservação da cultura sul-rio-grandense através do chimarrão, bebida típica do Rio Grande do Sul, que simboliza a hospitalidade, a amizade e a união entre povos. Para participar não é necessário fazer inscrição, basta comparecer e aproveitar a bebida regada a uma boa roda de conversa.

 

SEMANA FARROUPILHA

A data comemorativa no Rio Grande do Sul e em todos os recantos do mundo onde exista um CTG – Centro de Tradições Gaúchas, ocorre do dia 14 a 20 de setembro. Nestes locais, uns com mais atividades outros com menos, mas sempre comemorada, com desfiles, desfiles a cavalo (cidades com mais de 3.000 cavaleiros) apresentações artísticas, mateadas, fandangos e churrascos das mais variadas modalidades. É a data máxima para os Sul-rio-grandenses (gaúchos). Seu objetivo, comemorar a epopeia Farroupilha, inicialmente Revolução Farroupilha (1835/1836) e posteriormente Guerra dos Farrapos (1836 a 1845), a mais longa guerra da América do Sul, onde o Império do Brasil, o mais poderoso exército da época, enfrentou a província do Rio Grande.

 

A revolta dos Farroupilhas, termo pejorativo por parte dos Imperiais, que se tornou o orgulho de um povo. Os motivos, os que nos perseguem até os dias de hoje: impostos abusivos sobre a produção de charque, couro e erva-mate produzidos no Rio Grande, impostos sobre o sal produto vital para a fabricação do charque, usado em todo o Brasil na época, principalmente na alimentação de escravos nas plantações e café, cana de açúcar e mineração. No dia 20 de setembro de 1835, homens armados liderados por Gomes Jardim e Onofre Pires, invadiram Porto Alegre.

 

Os Farroupilhas, lutaram pelos ideais liberais, federalistas e republicanas, libertação dos escravos, que foram libertos e lutaram lado a lado, inclusive conquistando altos postos na hierarquia militar dos Farrapos. Sustentaram essa guerra por dez anos, mas problemas econômicos, desentendimento entre os líderes, foram forçados a assinatura de paz em Ponche Verde. Nem todos os Farrapos concordaram com a rendição, não assinando o armistício. Os ideais de LIBERDADE, IGUALDADE, HUMANIDADE, propalados pelos Farroupilhas e que constam na Bandeira do Rio Grande do Sul, depois de 184 anos, ainda não foram concretizados.

 

Para os que morreram nesta luta nossa gratidão, pelo exemplo demonstrado. Para os que ficaram, as suas gerações continuam a luta pelos ideias liberais.