Campo Novo do Parecis volta a apresentar alto índice de desenvolvimento e é o 5º em MT, segundo FIRJAN

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Campo Novo do Parecis subiu em 2016, seis posições em relação ao ano anterior e passou a ser a 5ª cidade de Mato Grosso com o maior Índice de Desenvolvimento Municipal, segundo dados do Sistema FIRJAN. Em 2015 o município ocupava a 11ª colocação.

 

A cidade ficou à frente de cidades como Sinop, Campo Verde, Nova Mutum, Rondonópolis e Primavera do Leste.

 

No Brasil, Campo Novo do Parecis subiu de 384º em 2015, com IFDM 0,7894, considerado Desenvolvimento moderado, para IFDM 0,8176 em 2016, considerado alto desenvolvimento.

 

Os 10 melhores índices de Mato Grosso em 2016

Lucas do Rio Verde é o município mais desenvolvido, ao atingir 0,8354 no índice que vai de 0 a 1. Na pontuação nacional, ficou em 148º. Já Cuiabá chegou ao segundo lugar no ranking estadual, e 193º no Brasil, com índice de desenvolvimento de 0,8266.

 

Diamantino, que atingiu índice de 0,8182, ficou em 3º lugar em Mato Grosso e 263º no país. Sorriso, que aparece em quarto no ranking estadual, teve índice de 0,8179 e é o 267º município mais desenvolvido do Brasil. No Estado, Campo Novo do Parecis é o 5º, com índice de 0,8176. No ranking nacional, por outro lado, ficou em 273º.

 

Sinop ficou no 6º lugar estadual e 368º nacional, com índice de 0,8064. Campo Verde, que teve pontuação de 0,8032, chegou à 7ª posição no Estado e 392º, no país. Em Mato Grosso, Nova Mutum ficou em 8º, com índice de 0,8006. No Brasil, a cidade é a 425ª mais desenvolvida.

 

Rondonópolis, com índice de 0,8004, e Primavera do Leste, com 0,7936, completam o ranking nacional. Ainda conforme o índice Firjan, as cidades mato-grossenses são as 430ª e 506ª mais desenvolvidas do país, respectivamente.

 

O IFDM

Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal – é um estudo do Sistema FIRJAN que acompanha anualmente o desenvolvimento socioeconômico de todos os mais de 5 mil municípios brasileiros em três áreas de atuação: Emprego & renda, Educação e Saúde. Criado em 2008, ele é feito, exclusivamente, com base em estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde.