C CNP

Ações são promovidas em Campo Novo do Parecis no Setembro Amarelo

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

O projeto Cuidar de quem Cuida, encabeçado por três psicólogos do centro de reabilitação em pareceria com o CVV, está em andamento na rede municipal de saúde de Campo Novo do Parecis.

 

A campanha teve início nesta semana com um café da manhã envolvendo profissionais da saúde pública e privado.

 

A campanha vem em parceria também com a ACIC, mobilizando o comércio com fachadas sobre o Setembro Amarelo e panfletagem conscientizando a população sobre a prevenção ao suicídio.

 

Uma linha de transmissão foi criada pelo aplicativo WhatsApp para discutir temas importantes voltados para a saúde mental de forma geral.

 

 

Está sendo implantando o projeto piloto com diretrizes de trabalho com a própria equipe da saúde fora da época de conscientização do setembro amarelo, com grupo terapêutico direcionado pelos psicólogos aos profissionais que de uma forma ou de outra possam ter uma boa saúde mental.

 

A população também é assistida por esses atendimentos, pelas equipes dos postos de saúde, que fizeram alusão ao setembro amarelo, elaborando cronogramas de conscientização sobre a depressão e suicídio.

 

Outro canal de informação é o disque 188 do CVV- Centro de Valorização da Vida, que atende pessoas 24 horas por dia.

 

"A saúde mental precisa deixar de ser vista dentro das premissas do preconceito pois não é frescura, não é para chamar a atenção. É importante que as pessoas compreendam que a saúde mental é o equilíbrio de um todo: físico, social e psicológico", disse a psicóloga Kátia de Souza Rizzotto.

 

Todos os anos são registrados cerca de doze mil suicídios no Brasil e mais de um milhão no mundo. Segundo a cartilha ‘Suicídio: informando para prevenir’, o número de vidas perdidas desta forma, anualmente em todo o mundo, ultrapassa o número de mortes decorrentes de homicídio e guerra. Cada caso impacta seriamente a vida de outras seis pessoas. A escalada é alarmante. Estima-se que até 2020 poderá haver um incremento de 50% na incidência anual de mortes por esta causa.